Placas Sinalização Predial – Modelos Mais Usados

Placa Garagem

Placa Garagem

Placa Elevador

Placa Aviso Passageiros

Fita Antiderrapante 

Fita Antiderrapante Escada

Placa Lixeiro 

Placa Lixeira

Placa Combate Incêndio(Certificada NBR 13434-3)

Placa Combate Incêndio

Placa Rota de Fuga (Certificada NBR 13434-3) 

Placa Saída Emergência


www.placassinal.com.br
 (11) 3326-3000

Estamos na Faria lima 1826 !!!

Faturaramos Condomínios

 

Placa Sinalização Elevador

Placas Sinalização Elevadores 

www.placassinal.com.br

(11) 3473 9111


Placa Elevador Serviço - Alumínio - 5x25 cm
Placa Elevador Serviço – Alumínio – 5×25 cm  
Placa Elevador SERVIÇO – Alumínio – 5×25 cm
R$ 9,00
 
Clique para ver detalhes
Clique para adicionar ao carrinho
 

Placa Elevador Social - Alumínio 5x25 cm
Placa Elevador Social – Alumínio 5×25 cm  
Placa Sinalização Elevador “SOCIAL” – Alumínio – 5cm x 25cm
R$ 9,00
Placa Tripla Para Elevador (Não Fume Elevador)
Placa Tripla Para Elevador (Não Fume Elevador)  
Placa Elevador (Não fume +Antes de entrar+ Em caso de Incêndio) – Alumínio – 16cm x 23cm
R$ 19,00
Placa Não Use o Elevador Fotoluminescente
Placa Não Use o Elevador Fotoluminescente  

Placa não use o Elevador Em Caso de Incêndio – Plástico Fotoluminescente 7cm x 20cm

 

Placa Evitar Acidente - Lei 12751
Placa Evitar Acidente – Lei 12751  
Placa Evitar Acidentes – Alumínio 15cm x15cm – Lei Municipal 12.751 de 04.11.98 – Para Evitar “Acidentes neste elevador, obedeça e exija as regras…”
R$ 14,00
 
Clique para ver detalhes
Clique para adicionar ao carrinho
 
Placa Aviso Passagerios Lei 12.722/98 Tamanho 15x18 Cm
Placa Aviso Passagerios Lei 12.722/98 Tamanho 15×18 Cm  
Placa Aviso Aos Passageiros – Tamanho 15×18 Cm – Alumínio – Conforme Decreto 12,722
R$ 16,00
 
Clique para ver detalhes

Grupo de operários é impedido de entrar em condomínio

Administrador do prédio alegou que eles cheiravam mal e iriam enfeiar o local.

Os trabalhadores fariam exames médicos para admissão em uma clínica.

Fernanda Graell

Um grupo de operários foi impedido de entrar em um condomínio comercial na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Eles dizem que o administrador do prédio alegou que eles cheiravam mal e iriam “enfeiar” o ambiente.

Os trabalhadores fariam exames médicos para admissão em uma clínica, dentro do condomínio Le Monde. Eles foram contratados pela concessionária que faz a obra da linha quatro do metrô. Eles contam que na chegada ao condomínio, no fim da manhã de quinta-feira (16), foram barrados e tiveram que ficar nos fundos do prédio na área de carga e descarga. “Ficamos sentados no chão, porque não tinha nem lugar para sentar. Barraram. Total desrespeito. Falta de consideração”, relata o ajudante de soldador, Jonatan da Silva.

Leandro Rabello, operador de máquinas conta que eles ouviram mais: “A nossa presença era uma poluição visual, já que éramos fedorentos e manchava a fachada da empresa, do condomínio, porque mal cheirosos. É constrangimento”.

Os funcionários só conseguiram fazer os exames depois da chegada da polícia. O caso foi divulgado pelo jornal Extra. “Depois de quatro horas da chegada da polícia, presente na recepção, conseguimos subir um por um, acompanhados dos seguranças do condomínio, mais o dono da clinica”, relata Leandro.

O dono da clínica, Renato Fernandes Pinto, conta que tentou convencer o administrador do condomínio. “Ele voltou a afirmar que a nossa atividade ali não era bem vinda, muito menos as pessoas que ali estavam e que eles causavam uma poluição visual ao condomínio. Eu defino como preconceito”.

O administrador do condomínio Le Monde, Felipe Alencar, não quis gravar entrevista. Em nota, disse que jamais restringiu o acesso de qualquer pessoa em razão de aparência ou condição sócio econômica.

A polícia já ouviu dois funcionários e outros 16 vão prestar prestar depoimento nos próximos dias. Eles pretendem pedir indenização ao condomínio, que deve ser acusado de injúria, quando há ofensa à honra ou à dignidade de alguém. A pena é de um a seis meses de prisão.

Fonte: Globo

Placas Sinalização Elevadores

Segue Coletania de leis mais frequentes para Elevadores de Condomínios

Placa Aviso Passageiros

Placa Sinalização Aviso Aos Passageiros

LEI N. 12.722 – DE 4 DE SETEMBRO DE 1998

Estabelece a afixação de aviso para elevadores que especifica, e dá outras providências.

(Projeto de Lei n. 37/98, do Vereador José Índio Ferreira do Nascimento – PPB)

CELSO PITTA, Prefeito do Município de São Paulo, usando das atribuições que lhe são conferidas por lei.

Faz saber que, nos termos do disposto no inciso I do artigo 84 da Resolução n. 2/91, a Câmara Municipal de São Paulo decretou e eu promulgo a seguinte lei:

Art. 1º Ficam os proprietários de edifícios que possuam elevadores obrigados a afixar, em local visível junto à porta dos mesmos, o seguinte aviso: “Aviso aos Passageiros: Antes de entrar no elevador, verifique se o mesmo encontra-se parado neste andar”.

Art. 2º O descumprimento da presente lei implicará em multa de 100 (cem) Unidades Fiscais de Referência – UFIRs por aviso não colocado, dobrada na reincidência.

Art. 3º O Poder Executivo regulamentará a presente lei em 30 (trinta) dias, contados da data de sua publicação.

Art. 4º Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Placa Discriminação – (junto à porta dos elevadores e/ou dentro das cabines): Lei Municipal SP 11.995/96;

Lei 11.995/96 – Proibe a discriminação em elevadores

Art. 1º – Fica vedada qualquer forma de discriminação em virtude de raça, sexo, cor, origem, condição social, idade, porte ou presença de deficiência e doença não contagiosa por contato social no acesso aos elevadores de todos os edifícios públicos municipais ou particulares, comerciais, industriais e residenciais multifamiliares existentes no Município de São Paulo. Parágrafo único – Os responsáveis legais pela administração dos edifícios citados no “caput” deste artigo ficam autorizados a regulamentar o acesso a esses imóveis, assim como a circulação dentro deles e o uso de suas áreas de uso comum e abertas ao uso público, através de regras gerais e impessoais não discriminatórias.

Art. 2º – Fica estabelecido que, para maior conforto, segurança e igualdade entre os usuários, o elevador social é o meio normal de transporte de pessoas que utilizam as dependências dos edifícios, independente do estatuto pelo qual fazem e desde que não estejam deslocando cargas, para quais podem ser utilizados os elevadores especiais.

Art. 3º – Para garantir o disposto no Art. 1º, fica determinada a obrigatoriedade da colocação de avisos no interior dos edifícios, a fim de se assegurar o conhecimento da presente lei.

§ 1º Os avisos de que trata o “caput” deste artigo devem configurar-se em forma de cartaz, placa ou plaqueta com os seguintes dizeres: “É vedada, sob pena de multa, qualquer forma de discriminação em virtude de raça, sexo, cor, origem, condição social, idade, porte ou presença de deficiência e doença não contagiosa por contato social no acesso aos elevadores deste edifício.

§ 2º Fica o responsável pelo edifício, administrador ou síndico, conforme for o caso, obrigado no prazo de 60 (sessenta) dias a partir da publicação desta lei, a colocar na entrada do edifício e de forma bem visível o aviso de que trata o “caput” deste artigo.

Art. 4º – Recomenda-se ao Poder Municipal desenvolver ações de cunho educativo e de combate à discriminação racial, de cor, sexo, origem, idade, condição social, doença não contagiosa por contato social, de porte ou presença de deficiência ou qualquer outro tipo de preconceito nos serviços públicos e demais atividades exercidas na cidade, conforme o disposto o Art. 204, I da Constituição Federal e Art. 4º, II, III, e IV, da Lei Federal nº 8.742/93.

Art. 5º – O descumprimento de qualquer dispositivo desta lei implicará em multa no valor de 30 (trinta) U.F.M., aumentada em 100% no caso de reincidência.

Art. 6º – O poder Executivo regulamentará a presente lei no prazo máximo de 30 (trinta) dias a contar de sua publicação.

Art. 7º – As eventuais despesas municipais decorrentes da aplicação desta lei correrão por conta das dotações orçamentárias próprias, suplementadas se necessário.

Art. 8º – Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Fonte: Prefeitura do Município de São Paulo, 16/01/96.

Prefeito – Paulo Maluf

LEI N. 12.751 – DE 4 DE NOVEMBRO DE 1998

Dispõe sobre a obrigatoriedade de afixação de placas informativas contendo normas de segurança em todos os elevadores dos prédios comerciais e residenciais localizados no Município de São Paulo, e dá outras providências. 

(Projeto de Lei n. 555/97, do Vereador Wadih Mutran) 

CELSO PITTA, Prefeito do Município de São Paulo, usando das atribuições que lhe são conferidas por lei. 

Faz saber que, nos termos do disposto no inciso I do artigo 84 da Resolução n. 2/91, a Câmara Municipal de São Paulo decretou e eu promulgo a seguinte lei: 

Art. 1º Será obrigatória a afixação de placas informativas contendo normas de segurança em todos os elevadores dos prédios comerciais e residenciais localizados no Município de São Paulo. 

Art. 2º As referidas placas informativas serão instaladas nas cabines dos elevadores, em local visível e de fácil leitura. 

Art. 3º As placas serão confeccionadas com material plástico, acrílico ou metálico, contendo os seguintes dizeres: 

“ATENÇÃO! Para evitar acidentes neste elevador, obedeça e exija o cumprimento das seguintes normas: 

1 – O número de passageiros ou a quantidade de carga transportados no elevador não podem ultrapassar os limites indicados pelo fabricante. 

2 – Os menores de dez anos não podem andar no elevador desacompanhados. A criança não tem altura ou discernimento suficiente para acionar o botão de alarme em caso de emergência. 

3 – Só pessoas ou empresas credenciadas podem fazer os reparos do elevador. 

4 – O Relatório de Inspeção Anual (RIA), elaborado pela empresa que faz a manutenção do elevador, deve ser afixado no quadro de avisos da portaria. O proprietário do aparelho de transporte é obrigado a fornecer anualmente o referido relatório à Prefeitura.” 

Art. 4º Ao responsável pelo edifício, administrador ou síndico, competem a divulgação e o estrito cumprimento das normas ditadas por esta lei. 

Art. 5º O não cumprimento dos dispositivos desta lei implicará ao infrator a imposição de multa no valor de 250 (duzentas e cinqüenta) UFIRs, aplicada em dobro em caso de reincidência. 

Art. 6º O parágrafo único do artigo 9º da Lei n. 10.348, de 5 de setembro de 1987, passará a vigorar com a seguinte redação: 

“Parágrafo único. O Relatório de Inspeção Anual deverá ser fornecido anualmente pelo proprietário do aparelho de transporte à Prefeitura.” 

Art. 7º O Poder Executivo regulamentará a presente lei no prazo de 30 (trinta) dias, contados a partir da data de sua publicação. 

Art. 8º As despesas decorrentes da execução desta lei correrão por conta das dotações orçamentárias próprias, suplementadas se necessário. 

Art. 9º Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.