Qual São as Melhor Administradora de Condomínios de São Paulo?

As Maiores e Melhores Administradoras de São Paulo Você Encontra no Portal Síndico.com

Portal Síndico.com - Encontro os Melhores Fornecedores para Condomínios

Portal Síndico.com – Encontro os Melhores Fornecedores para Condomínios

 

» Administradora de Condominio

 

Paris
 Especializada Em Administração Zone Central Sp
Fonsi Condomínios
A Fonsi Condomínios é uma empresa que possui uma experiência de mais de 30 anos no setor de Administração Condominial, com diversos clientes na Capital, Litoral e Grande São Paulo.
Rua da Consolação37
Lloyd Administradora
 Administradora Muito Tradicional No Mercado Desde 1938
Grupo OMA Condomínios
A OMA é um grupo que administra bens e condomínios, além de alugar e vender imóveis.
Rua Cincinato Braga200

No Portal do Síndico.com Você Encontra os Melhores Fornecedores para Condomínios – #Administradoras, #EmpresasdePortaria, #Manutenção, #Controle de Acesso

 

Melhores Administradoras Condomínios São Paulo

Quais são as Administradoras Mais Confiáveis de São Paulo

Quais são as Administradoras Mais Confiáveis de São Paulo

 

 

 

 

 

 

Melhores Administradoras de São Paulo Você Encontra no www.sindico.com

Melhores Administradoras de São Paulo Você Encontra no www.sindico.com

Como escolher e contratar uma administradora

O síndico pode contratar uma pessoa física ou jurídica para auxiliá-lo na administração do condomínio. Devido à complexidade de suas funções, é recomendável que o faça.

Às vezes, o barato sai caro, ou seja, deixar de contratar uma administradora para economizar determinada quantia poderá se mostrar, no futuro, uma postura muito mais dispendiosa, se houver algum erro ou omissão.

O síndico deverá convocar a assembléia apresentando aos condôminos uma administradora de sua confiança, relacionando o tipo de prestação de serviços, honorários cobrados e prazo do contrato.

Contudo, uma administradora deve ser bem escolhida, para que ela, em vez de solução, não seja um problema a mais. Aqui vão alguns cuidados para escolher uma administradora:

  • Peça proposta para três empresas;
  • Consulte empresas indicadas por síndicos ou condôminos satisfeitos;
  • Leia com atenção o contrato a ser assinado, o rol de serviços prestados, etc.;
  • Desconfie de honorários muito baixos;
  • Desconfie daquelas que difamam outras administradoras;
  • Peça uma lista de alguns condomínios administrados, com nome e telefone dos síndicos, e ligue para alguns;
  • Visite a empresa e seu site antes de contratá-la;
  • Verifique com quem a empresa trabalha (bancos, fornecedores);
  • Verifique o capital social, o quadro societário e o objeto social da empresa;
  • Verifique se a empresa tem sede própria;
  • Verifique qual a forma de rescisão contratual prevista;
  • Discuta com o conselho antes de se decidir por esta ou aquela empresa;
  • Opte por empresas com boa administração de recursos humanos, que tenha bons profissionais;
  • Verifique se a empresa opera pelo sistema de conta pool, em que o dinheiro do condomínio fica na conta bancária da administradora, ou pelo sistema de conta bancária própria para cada condomínio. Escolha o que melhor atenda às necessidades do condomínio;
  • Verifique se o demonstrativo financeiro é feito em bases correntes (de 1 a 30/31 de cada mês), de modo a coincidir com a movimentação financeira do condomínio. Esse expediente também facilita o controle dos recursos;
  • Analise os pequenos detalhes do contrato. Exemplos: sistema de cobrança de condôminos atrasados (se tem advogado próprio, se é obrigatório recorrer ao advogado da administradora); sistema empregado para compra de materiais (se permite que moradores apresentem orçamentos ou indiquem empresas);
  • Observar se no contrato há cláusula especificando que a administradora é responsável pelo pagamento de multas ou despesas extras decorrentes de seus erros. Exemplo: se não recolher o FGTS dos funcionários ou qualquer outro encargo ou tributo no prazo, deve arcar com as multas;
  • Solicitar um modelo de demonstrativo financeiro da administradora;
  • Verificar se a administradora tem estrutura para assessorar o síndico na cotação de serviços extras;
  • Checar se a taxa de administração é aplicada sobre a despesa ou a receita e avaliar o que seria mais conveniente para o condomínio;
  • Dê preferência a uma administradora associada ao SECOVI-SP;
  • Opte por empresas que dêem valor para qualidade. O SECOVI-SP certifica todos os anos, pelo PQE – Programa Qualificação Essencial -administradoras de condomínio. Peça uma cópia atualizada do certificado;
  • Verifique todas as certidões da empresa (CNPJ, CND da Receita Federal, Protestos etc.) e de seus sócios. Sempre peça cópias atualizadas;
  • Analise a experiência da administradora e verifique quanto tempo de atuação ela possui nesta área.

Ao síndico caberá a escolha da empresa administradora, a qual deverá ser aprovada pela assembléia geral de condôminos, mediante votação de praxe. Tal escolha deve basear-se na confiança recíproca. Sendo alcançada a aprovação, será o síndico a pessoa competente para assinar o contrato de prestação de serviços em nome do condomínio.

É decisão de competência do síndico a rescisão do contrato com a administradora. Porém, ainda que seja dispensável a realização de assembléia para tanto, o síndico deverá ser cauteloso na tomada de decisão, eis que a mesma poderá ter fortes repercussões econômicas. No caso, o contrato entre as partes servirá de parâmetro para a rescisão, como é exemplo a definição do prazo de aviso prévio, usualmente fixado de 30 (trinta) a 60 (sessenta) dias.

O art. 1.348, § 2°, do novo Código Civil trouxe a inovação de que o síndico pode transferir, total ou parcialmente, para a empresa administradora, não somente as funções administrativas, como também os poderes de representação, tudo mediante aprovação da assembléia, salvo se o contrário dispuser a Convenção. Vale dizer que o mais usual é a ocorrência da mera delegação das funções administrativas.

Especificamente sobre o assunto, o SECOVI-SP editou o “Guia de orientação para escolha de uma administradora de condomínios”, cuja leitura é recomendada.

Fonte: Secovi

Entregas em condomínios: tudo o que você precisa saber!

Entregador dos Correios segurando dois pacotes.

A rotina corrida de trabalho, estudos e demais afazeres diários acaba por nos deixar reféns da necessidade de serviços que realizem entregas domiciliares, desde a água filtrada até o almoço ou produtos eletrônicos e artigos de decoração. É uma infinidade de coisas que podem ser entregues na porta de casa. Mas e se você mora em condomínio, como funciona para receber suas compras, especialmente quando ninguém está em casa?

Explicamos para você, a seguir, como funcionam as entregas em condomínios fechados. Acompanhe:

A cartilha da segurança deixa bem claro que para não prejudicar o bem estar de todos, os entregadores devem ficar do lado de fora dos portões. Mas sabemos que, por exemplo, uma pessoa que tenha solicitado a entrega das suas compras do mês, não vai querer se submeter a andar até a porta do seu apartamento com uma grande quantidade de sacolas. Provavelmente ela nem consiga fazer o transporte dessa mercadoria até a porta da sua casa. Por esta razão existem algumas questões a serem consideradas e analisadas.

Para preservar a individualidade dos condôminos e garantir a segurança do condomínio é importante que sejam aplicados procedimentos claros, que todos devem seguir. Ou seja, se for necessário, o entregador pode sim entrar no condomínio, mas para isso ele precisará seguir alguns procedimentos, como:

- Cadastramento prévio: nesse caso, os comerciantes dos arredores do condomínio em questão devem ligar com antecedência e cadastrar seus entregadores. Esses, ao chegarem ao condomínio, devem sempre ser anunciados pela portaria aos moradores.

- Avisar a portaria: é imprescindível que o porteiro saiba que existe uma entrega agendada para aquele dia. Não apenas para o caso de o entregar precisar entrar, mas também quando houver uma remessa grande a ser entregue.

Também vale lembrar que em caso de entregas pequenas, como de farmácia e alimentos, por exemplo, os entregadores não devem entrar no condomínio. Nessas situações, o morador ou empregado doméstico é quem deve, sempre, receber a mercadoria.

 

Correspondências

Cartas espalhadas no chão.

São bastante recorrentes os casos de problemas com correspondências em condomínios grandes. Alguns desses prédios recebem milhares de envelopes por dia. Existem casos em que os moradores buscam na portaria os jornais, revistas ou qualquer correspondência maior e cartas menores são entregues em cada apartamento. Alguns outros condomínios possuem caixas de correspondências em sua recepção, desta forma os próprios moradores fazem a coleta e a separação dos papéis fica a cargo do zelador, porteiro ou até mesmo do carteiro.

 

Perguntas frequentes:

Pontos de interrogação coloridos.

1. Existe alguma lei ou regra geral para todos os condomínios quanto ao recebimento de entregas dos moradores? Não existe uma lei, o que existe é uma prática com foco em segurança, onde o ideal é que esteja registrada no Regulamento Interno do condomínio. De forma geral, o sugerido é que entregadores não tenham acesso aos empreendimentos e que as entregas sejam retiradas pelos condôminos na portaria.

2. Quando os moradores não estão em casa, como funciona o recebimento de entregas na portaria?  Depende do que o Regulamento Interno do empreendimento define. Grande parte dessas mercadorias não é recebida pela portaria, pois demandam responsabilidade de recebimento e guarda apenas ao destinatário. Existem alguns empreendimentos em que o material é recebido, a entrega fica registrada no livro de ocorrência do condomínio e posteriormente o condômino retira junto a Portaria.

3. Os condomínios são obrigados a receber entregas para condôminos? Não são obrigados. O que define esta regra é o regulamento Interno do empreendimento ou as práticas já consolidadas no condomínio.

4. Quais os principais problemas gerados pelo recebimento de encomendas pelo condomínio? O principal problema é a responsabilidade da guarda. Muitas vezes são documentos importantes e até confidenciais (Ex. passaporte, etc.), em outras circunstâncias trata-se de mercadorias de valor expressivo (Ex.: celulares, tênis, computadores etc.).

5. Se o condômino está na residência, o porteiro irá avisá-lo da entrega? Sim, este é o procedimento padrão.

6. O entregador pode entrar no condomínio e fazer a entrega diretamente na residência do condômino? Depende do que é definido no Regulamento Interno. Por segurança o indicado é o entregador não ter acesso. Contudo existem vários casos onde os condomínios permitem principalmente se tratando de entrega de medicamentos. Alguns empreendimentos (Ex. Unique Place) possuem um funcionário, chamado de Mensageiro, próprio do condomínio para fazer este transporte.

7.  Se o condômino estiver viajando e uma entrega em seu nome chegar, o condomínio recebe a encomenda? Depende do que é definido no Regulamento Interno.

Procura saber quais são as regras e regulamentos do seu condomínio e evite transtornos!

Fontes: Ângela del Pino (Auxiliadora Predial) g1

Melhores Administradoras Condomínios de Sp

Quais são as Melhores Administradoras de Condomínios de Sp

Quais são as Melhores Administradoras de Condomínios de Sp

Sr Síndico – Num Unico Clique você pode achar as Melhores Administradoras de Sp

 

Auxiliadora Predial
A Auxiliadora Predial, Há 83 anos no mercado, está entre as maiores do país em administração de Condomínios.  Nossa estrutura é completa e nossos serviços trazem ao síndico uma gestão mais tranquila e eficiente
Av. Paulista,1009  -Tel: 2348-4005
Aprime Administração
A mais completa Administradora de Condomínios com Atendimento Personalizado e Exclusivo do mercado. Atendemos todas as regiões e grande SP.
Rua Tagipurus, 235  -Tel:25331920
Cia do Síndico
Administradora Especializada Em Zona Norte, Leste e Guarulhos e Síndico ProfissionalReceba suas cotas condominiais via cartão de credito obtenha uma baixa taxa de inadimplência. Assembleia Virtual 70% mais participação dos condôminos.
Rua Consul Orestes Correia227  -Tel:2409-0534
Fonsi Condomínios
A Fonsi Condomínios é uma empresa que possui uma experiência de mais de 30 anos no setor de Administração Condominial, com diversos clientes na Capital, Litoral e Grande São Paulo.
Rua da Consolação37  -Tel:3259-2020
Taquari
www.taquari.com.br0  -Tel:3662-9200

No Portal do Síndico.com Você Encontra os Melhores Fornecedores para Condomínios – Administradoras, Empresas de Portaria, Manutenção, Controle de Acesso

Fita Antiderrapante Fotoluminescente

Ligue: 11 3662-3622

Fita Antiderrapante Preta e Fotoluminescente  - 30 Mts

MAIS VISUALIZAÇÕES

  • Fita Fotoluminescente
  • Fita Antiderrapante Fotoluminescente Escada
  • Fita Antiderrapante fotoluminescente

Fita Antiderrapante Preta e Fotoluminescente – 30 Mts

Disponibilidade: Em Estoque.

R$215,00

Descrição Rápida

Fita Antiderrapante Fotoluminescente

- Rolo de 30 metros Ideal para rampas, escadas e pisos. Reduz o perigo de quedas e derrapagens, fácil instalação e alta resistência.

Fita Antiderrapante Fotoluminescente

Medidas: rolo de 48mm x 30m

Descrição: Filme de PVC revestido com graos óxidos abrasivos. Aplicações: Prevenção de acidentes em escadas, rampas, etc.

Cor: Preta e Fotoluminescente

Pode Ficar Em Ambientes Externo – Ideal para Ambientes Externos ou Internos

Empresários investem em negócios dentro de condomínios

27/07/2014 07h39 - Atualizado em 27/07/2014 07h39

Empreendimentos com moradia e comércio têm alto potencial de consumo.
Facilidade de morar e trabalhar no mesmo lugar atrai empresários.

Do PEGN TV

Empreendimentos multiuso, ou seja, aqueles condomínios que reúnem moradia e comércio, são tendência no mercado imobiliário. Para pequenos empresários, a principal vantagem de ter um negócio num condomínio é a de ficar bem perto dos clientes. Em São Paulo, um condomínio da Zona Oeste da cidade tem 123 mil m² de terreno e 27 torres de apartamentos, com ruas, pontos de táxi, comércio e um cobiçado potencial de consumo.

A ex-bancária Rose Dias Magro, por exemplo, montou uma perfumaria dentro do condomínio. Ela participou de uma licitação e, em fevereiro deste ano, montou o negócio. A empresária paga R$ 2 mil por mês de aluguel por uma loja com 12 m². Ela oferece 68 itens de perfumaria e maquiagem. O negócio ainda está no começo, mas já dá lucro. A empresária fatura R$ 3 mil por mês e atende, em média, 20 clientes por dia. Outro negócio que funciona no mesmo condomínio é a imobiliária de Regina Batista e Jorge de Araújo, que faz venda e locação dos imóveis do condomínio. A imobiliária fatura R$ 45 mil por mês, em comissões.

Já a empresária Roberta de Marco montou uma padaria dentro do condomínio de Pirituba, onde mora há sete anos. Ela foi atraída pela facilidade de morar e trabalhar no mesmo lugar. Para a empresária, outra vantagem de um negócio dentro de condomínio é que os custos são menores. Roberta paga R$ 2.300 por mês de aluguel e não precisa gastar muito com propaganda. No último ano, a empresária faturou R$ 120 mil com o negócio, e chega a atender 500 clientes por dia.

Clique no vídeo acima para assistir à reportagem completa.

CONTATOS:
REGINA IMÓVEIS (IMOBILIÁRIA)
Contato – Empresária: Regina Batista
Condomínio Portal dos Bandeirantes
Av. Raimundo Pereira de Magalhães, 1720 – Piqueri
São Paulo/SP – CEP: 05145-000
Telefone: (11) 3832-1212
Site: www.reginaimoveis.com

LINDA FLOR (PERFUMARIA)
Contato – Empresária: Rose Dias Magro
Condomínio Portal dos Bandeirantes
Av. Raimundo Pereira de Magalhães, 1720 – Piqueri
São Paulo/SP – CEP: 05145-000
Telefone: (11) 3641-2429

PORTAL MIX CONVENIÊNCIA (LOJA DE CONVENIÊNCIA)
Contato – Empresária: Roberta de Marco
Condomínio Portal dos Bandeirantes
Av. Raimundo Pereira de Magalhães, 1720 – Piqueri
São Paulo/SP – CEP: 05145-000
Telefone: (11) 2371-0134

ASSOCIAÇÃO DAS ADMINISTRADORAS DE BENS IMÓVEIS E CONDOMÍNIOS DE SÃO PAULO – AABIC
Contato – Vice Presidente: Fábio Kurbhi
Rua Estados Unidos, 89 – Jd. Paulista
São Paulo/SP – CEP: 01427-000
Telefone: (11) 3887-3372
Site: www.aabic.com.br

Levantamento do Secovi-SP aponta queda no número de ações por inadimplência em condomínio

Levantamento do Secovi-SP aponta queda no número de ações por inadimplência em condomínio

SECOVI-SP NOTÍCIAS - ECONOMIA
Em maio, foram ajuizados 689 casos por falta de pagamento da cota condominial, contra 739 registrados no mês anterior, uma redução de 6,77%
Levantamento do Departamento de Economia e Estatística do Secovi-SP (Sindicato da Habitação), realizado no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, mostra que o número de ações de cobrança por falta de pagamento da cota condominial caiu 6,77% em maio deste ano.
No mês, foram ajuizadas 689 ações, contra 739 casos registrados no mês anterior. Comparado ao mesmo mês do ano passado, quando foram ajuizados 826 casos, houve queda de 16,59%.
Acumulado – O declínio também é observado na soma das ações ajuizadas nos cinco primeiros meses. De janeiro a maio, deram entrada na Justiça 3.356 ações, 19,13% inferior em relação às 4.150 ações registradas em igual período do ano passado. O volume acumulado nos últimos 12 meses – abril de 2013 a maio de 2014 – também diminuiu, de 9.681 para 8.887 casos registrados de abril de 2012 a maio de 2013.
O vice-presidente de Administração Imobiliária e Condomínios do Sindicato, Hubert Gebara, credita a redução aos acordos extrajudiciais, já que as pessoas estão buscando regularizar suas pendências financeiras. “Sem dúvida, a maior facilidade oferecida ao inadimplente para renegociar dívidas contribuiu para a retração. O acordo é vantajoso para as duas partes – condomínio e condômino -, pois uma ação de cobrança dessa natureza pode levar vários anos para ser resolvida”, afirma Gebara.
A recomendação do Secovi-SP é que síndicos e administradoras continuem reforçando as negociações de cobrança, buscando conscientizar os condôminos sobre a importância do pagamento da taxa condominial para a manutenção da saúde financeira do prédio. “Infelizmente, alguns moradores preferem pagar outras contas, ao invés do condomínio”, destaca o vice-presidente do Sindicato.

Comissão da Câmara aprova cobrança de taxa para condomínios em ruas fechadas

Comissão da Câmara aprova cobrança de taxa para condomínios em ruas fechadas

BRASÍLIA – A cobrança de taxa de condomínio por associações de moradores em ruas fechadas foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados nesta terça-feira. O projeto foi aprovado em caráter conclusivo na comissão e agora segue para análise dos senadores, caso não tenha recursos que levem o projeto para votação no plenário.

O projeto, que altera o Estatuto da Cidade, cria ainda regras para implantação de condomínios urbanísticos e da regularização de loteamentos urbanos de acesso controlado. Inicialmente, o projeto era contra a permissão para condomínios controlarem acesso em vias públicas, mas um substitutivo propôs a autorização da cobrança, contanto que o estado ou o município tenha de aprovar a criação do condomínio.

De acordo com o texto aprovado, será adotado um coeficiente para chegar ao valor que cada unidade terá de pagar. O valor poderá ser expresso em um percentual das despesas de manutenção do loteamento e será definido em estatuto ou ato constitutivo da entidade civil responsável.

Porém, o projeto permite que as prefeituras deleguem a responsabilidade de manutenção de áreas e equipamentos públicos situados dentro dos condomínios para os titulares das unidades que compõem o loteamento. Isso pode acarretar maior despesa para o condomínio, que terá obrigação de gerir esses gastos.

Mas, segundo o texto, a concessão ou permissão de criação do condomínio não poderá impedir a continuidade da prestação de serviços públicos como energia elétrica, telefonia, gás canalizado, fornecimento de água potável, esgotamento sanitário e coleta de lixo.

Festa em condomínio tem 13 TVs e ‘mordomias’ para ver Brasil x México

Empresa fez churrasco em SP; sensação é de estar dentro de mostruário.

Evento de demonstração de aparelhos reuniu mais de 700 pessoas.

Gustavo PetróDo G1, em São Paulo
Evento em São Paulo reuniu 700 pessoas para demonstração de eletrônicos durante Brasil x México (Foto: G1)
Evento em São Paulo reuniu 700 pessoas para
demonstração de eletrônicos durante Brasil x México
(Foto: G1)
Evento em São Paulo reuniu 700 pessoas para demonstração de eletrônicos durante Brasil x México (Foto: G1)
Brasil x México foi exibido em 13 TVs Não há nada melhor do que reunir os amigos para fazer um churrasco e assistir ao jogo da seleção na Copa do Mundo. Mesmo que Brasil x México tenha terminado sem gols, nesta terça-feira. Em um condomínio na Mooca, Zona Leste de São Paulo, a partida teve alguns mimos eletrônicos. Foram cortesia de uma empresa, em um tipo de evento que vem se tornando cada vez mais comum.

É uma reunião de demonstração de eletrônicos, na qual 700 pessoas assistiram à partida, comeram churrasco, beberam e concorreram a prêmios, tudo de graça. Tiveram também acesso a lançamentos de produtos da empresa, de TVs a videogames, incluindo um televisor 4K. A sensação é a de estar dentro do mostruário de uma loja.

Neste tipo de evento que mistura churrasco e Copa, os produtos estão à venda e podem ser comprados na hora. É comum também ter algum incentivo para levar os aparelhos para casa. Desta vez, os convidados tinham até 30% de desconto.

Mesmo com um jogo morno e o empate sem gols, a turma estava muito animada, gritando a cada chute perdido do Brasil e se desesperando a cada boa chance do México. O que valia era torcer e ficar ligado em uma das 13 TVs e em um telão que mostravam a partida.

Oito delas, inclusive uma 4K ficaram em uma quadra coberta, duas numa quadra aberta onde as crianças ficaram jogando bola e espiando a seleção, duas rodando o game oficial da Copa no PlayStation 3 e uma numa área externa para quem queria fugir do tumulto.

Com ou sem barulho
Delazir Parra Poputz, de 74 anos, decidiu tentar ver o jogo em um ambiente mais calmo da festa. Ao redor de um monte de marmanjos esbravejando contra a seleção, ela permanecia quieta e focada. “Estou concentrada no jogo, lá dentro tem muito barulho”, disse, antes do final da partida, que ela gostaria que tivesse terminado em 1×0 para o Brasil.

A opinião é a mesma do síndico do condomínio. “Juntou muita gente, temos mais de 700 pessoas na quadra e é bom ver todos unidos e curtindo a Copa“, contou Mauro Possato, 41 anos. João Francisco Alemeida Kill, de 17 anos, gostou da ideia. “Tem muita TV para ver o jogo, mas gostei mais dos celulares”, contou Kill, antes de ir jogar games.